pt_brfren
Companhia Dos à Deux

Saudade em Terras d’água

Saudade em Terras d’água

2005

Embarcar, desviar, provocar, Saudade em Terras d’água revoluciona nossas percepções e nos conduz ao exílio forçado de uma família.

O talento e a sensibilidade comprovados dos dois diretores, Artur Ribeiro e André Curti, têm o poder de nos transportar para um universo singular, feito de seres humanos e destinos cruzados.
Desta vez, eles nos contam a história de uma mãe e seu filho, habitantes isolados no meio de um mar azul-infinito. As personagens vivem uma existência simples, quase arcaica. Um dia, a mãe, preocupada com a continuidade dessa vida, parte em busca de uma mulher para seu filho. A mulher vem de uma outra terra, distante. Os três aprendem a se conhecer e vão construindo seu espaço, apesar de conflitos e confrontos. Aos poucos, uma relação de afeto certamente nascerá entre eles.
Nada devia perturbar este equilíbrio conquistado em tempos remotos.
Só que, um dia – ou talvez progressivamente, eles já não se lembram mais –, a água que os cercava desaparece, seca.
A água se transforma em terra.

Este caos rompe o ritmo original da vida e a família não tem mais como se alimentar. Devem partir, se exilar num outro lugar, onde possam encontrar a fonte da vida.
A viagem os conduz para longe de casa, longe de tudo o que constituía o dia-a-dia. A viagem é longa, tem suas regras e armadilhas, e eles terão de enfrentar aquilo que nem podiam imaginar. Vão viver a espera, a esperança, mas também o desespero.
Suas vidas, doravante, serão marcadas pela expectativa daquilo que lhes falta. E, quando menos esperam, serão invadidos pela saudade.

saudade do ruído do mar, do cheiro da chuva, saudade da família, saudade...



© 1997-2017 Companhia Dos à Deux - Todos os direitos reservados - Contato - Topo ↑
Site realizado com SPIP por romy.tetue.net